terça-feira, 25 de novembro de 2008

MEDICINA HIPERBÁRICA



Definição
A Medicina Hiperbárica ou Oxigenoterapia Hiperbárica(OHB) é uma modalidade terapêutica que utiliza o efeito experimentado pelo organismo ao ser submetido a uma pressão acima da pressão atmosférica.

Ao ser administrado oxigênio a 100% a um paciente submetido a uma pressão 2 a 3 vezes maior que a atmosférica, no interior de uma câmara hiperbárica, consegue-se obter, além da saturação de 100% da hemoglobina, um aumento significativo de oxigênio livre, não ligado à hemoglobina que, dissolvido no plasma (até 2.000 mmHg), alcança os diversos tecidos do organismo. Nestas condições, observa-se uma rápida normalização dos processos de cicatrização de feridas e um combate efetivo a várias infecções.

Portanto, devido a estes efeitos cicatrizantes da oxigenoterapia hiperbárica sobre os tecidos, o método é indicado como tratamento principal ou coadjuvante a diversas doenças agudas ou crônicas, de natureza isquêmica, infecciosa, traumática ou inflamatória, geralmente graves e refratárias aos tratamentos convencionais.
As patologias que se beneficiam com o emprego da oxigenoterapia hiperbárica, de acordo com o último Committee Report da UHMS, publicada em 1994, ratificado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo em sua resolução de n.º 1457/95 publicado no DOU em 19 de outubro de 1995.
. Embolias gasosas
. Gangrena gasosa
. Síndrome de Fournier
. Infecções necrotizantes de tecidos moles
. Isquemias agudas traumáticas
. Vasculites agudas
. Queimaduras térmicas e elétricas
. Lesões por radiação
. Retalhos ou enxertos comprometidos ou de risco
. Osteomielites
Câmara Hiperbárica
Embora os registros apontem que desde o século XVI são realizados estudos com oxigenoterapia hiperbárica, o uso científico de câmaras hiperbáricas na medicina clínica começou em 1955.

O equipamento necessário para criar condição hiperbárica de forma absolutamente segura é uma cãmara hiperbárica devidamente certificada. Assim, ela oferece, além de conforto, uma central de monitoração, que detém o controle contínuo dos percentuais de oxigênio, com suprimento individual por paciente e circuito de som e vídeo, que monitora permanentemente o tratamento e as atividades internas da câmara.

São dois tipos de câmaras hiperbáricas: a monoplace, para um paciente apenas e a multiplace, que são apropriadas para acomodar mais pacientes, um auxiliar técnico e um médico hiperbarista.

GENTE QUE COISA FANTÁSTICA E INOVADORA!
ADOREI ESSA PESQUISA QUE FIZ NA NET...

Um comentário:

Georgia disse...

É, o negócio é melhorar cada vez mais.

Beijao, te amo minha irma.

Bom dia!!!